Desenvolvedor retira da App Store sucesso ‘Flappy Bird’

fevereiro 10, 2014

image

Depois de faturar até 50.000 dólares por dia com publicidade, desenvolvedor afirma que game “arruinou sua vida simples”

Aplicativo Flappy Bird ficou entre os mais baixados da App Store na última semana (Reprodução)

O game Flappy Bird, que se tornou repentinamente popular no iPhone e em aparelhos com Android, foi retirado da App Store neste domingo. O aplicativo deixou de funcionar cerca de 24 horas depois de Dong Nguyen, desenvolvedor vietnamita que criou o aplicativo, avisar os usuários sobre a retirada do app. “Sinto muito, usuários do Flappy Bird. Daqui a 22 horas eu vou retirá-lo do ar. Eu não aguento mais”, escreveu Nguyen, em sua conta no Twitter.

Leia também:
Para crescer, Brasil terá de apoiar os ‘indie’ games
Comic-con: Brasil recebe feira geek em dezembro

Nguyen não divulgou o motivo da retirada do aplicativo, que lhe rendia 50.000 dólares por dia em receita, pela exibição de anúncios aos usuários do programa gratuito. Porém, por meio do Twitter, ele registrou sua insatisfação com o assédio dos usuários e da imprensa. “Eu posso dizer que o Flappy Bird foi um sucesso. Mas ele também arruinou minha vida simples. Então agora eu o odeio”, escreveu o desenvolvedor neste sábado.

Até o momento, contudo, o aplicativo ainda não foi retirado do Google Play, loja de aplicativos para dispositivos móveis com sistema operacional Android. De acordo com a loja do Google, mais de 10 milhões de usuários instalaram o aplicativo em seus smartphones. Embora o game tenha sido retirado da App Store, quem já instalou o app no iPhone ou iPad pode continuar a jogar normalmente.

Desde o anúncio dos planos para retirada do aplicativo do ar, Nguyen recebe diversas mensagens de interessados em comprar o Flappy Bird por meio do Twitter. Ele negou, no entanto, o interesse em vender o aplicativo. Além disso, após rumores de que ele teria usado técnicas para inflar a popularidade do aplicativo, ele afirmou que a retirada do app da loja “não está ligada a motivos legais”.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/vida-digital/criador-retira-sucesso-flappy-bird-da-loja-de-apps-para-iphone


Laço While – SQL Server

outubro 6, 2013

Para utilizar um laço WHILE (enquanto) no SQL Server, siga os exemplos abaixo:

1) Exemplo de laço WHILE com incremento de uma variável:
DECLARE @intNumber INT = 1 — declarando uma variável INT e setando seu valor para 1
WHILE (@intNumber <=5) — enquanto a variável possuir valor menor ou igual a 5, execute
BEGIN
PRINT @intNumber — escreve o valor da variável
SET @intNumber = @intNumber + 1 — incrementa a variavel em uma unidade
END
GO

O resultado seria:
1
2
3
4
5

2) Exemplo varrendo uma tabela de produtos
— criação da tabela de produtos, com 5 registros:

create table #tb_produto(pro_codigo int, pro_nome varchar(100))
insert into #tb_produto (pro_codigo, pro_nome) values (1, ‘produto 1’)
insert into #tb_produto (pro_codigo, pro_nome) values (2, ‘produto 2’)
insert into #tb_produto (pro_codigo, pro_nome) values (3, ‘produto 3’)
insert into #tb_produto (pro_codigo, pro_nome) values (4, ‘produto 4’)
insert into #tb_produto (pro_codigo, pro_nome) values (5, ‘produto 5’)

— inserindo os registros em uma tabela temporaria, que possui uma flag para indicar os registros já apresentados

select 0 as tmp_flag, * into #tmp_produto from #tb_produto

while((select COUNT(*) from #tmp_produto where tmp_flag = 0 ) > 0) — enquando existirem registros com a flag = 0
begin

select top 1 * from #tmp_produto where tmp_flag = 0 — seleciona o primeiro registro (com flag igual a 0) e apresenta

update #tmp_produto set tmp_flag = 1 where #tmp_produto.pro_codigo = (select top 1 pro_codigo from #tmp_produto where tmp_flag = 0) — altera a flag do registro apresentado para 1

— ou pode deletar o registro da tabela temporaria depois de usar..
— delete from #tmp_produto where #tmp_produto.pro_codigo = (select top 1 pro_codigo from #tmp_produto where tmp_flag = 0)

end

 

OBS.1: O caracter “#” em frente ao nome da tabela identifica que está é uma tabela temporaria


Seis funções de TI que serão bem remuneradas em 2012

dezembro 13, 2011
Por Meridith Levinson, CIO (EUA)
Publicada em 12 de dezembro de 2011 às 07h40
 

Em todo o País, e no exterior, com exceção da Europa, companhias estão competindo por talentos em TI.

Apesar das previsões sinistras sobre como a computação em nuvem vai reduzir os departamentos de TI, 2012 pode vir a ser um grande ano para alguns profissionais. O próprio modelo de cloud computing criou novas funções para profissionais de TI, e a proliferação de smartphones e tablets despertou demanda por desenvolvedores de software.

O mercado de trabalho de TI, que experimentou forte recuperação em 2011, após a recessão, deve ser ainda mais brilhante em 2012, apesar dos desafios econômicos globais. Especialmente no Brasil, onde os profissionais mais qualificados já têm salários acima da média mundial para as respectivas funções.

Quer mais uma boa notícia? Em todo o País, e no exterior, com exceção da Europa, as companhias estão competindo por talentos em TI. Abaixo estão seis empregos de TI que os especialistas dizem que terão maior demanda e os melhores salários em 2012. A melhor parte: muitos desses trabalhos também são divertidos.

1. Desenvolvedores de aplicativos móveis

Profissionais de TI que possam desenvolver aplicações para dispositivos móveis são commodity em TI hoje em dia. Especialistas em RH concordam que esse grupo irá permanecer nessa posição invejável até 2013, como as empresas correndo para adaptar seus sites e aplicativos para smartphones e tablets.

A demanda por desenvolvedores de aplicativos móveis é óbvia na Dice.com, onde anúncios de emprego para Android e iPhone cresceram 129% e 190%, respectivamente, em relação a 2010. Nos Estados Unidos, um desenvolvedor Android pode exigir entre 70 dólares por hora a 100 dólares por hora em um contrato.

2. Os desenvolvedores de software

Desenvolvedores de aplicativos baseados em PC não devem se sentir desprezados por seus colegas móveis. As empresas precisam de sua quota de Java, .NET, C#, SharePoint, e desenvolvedores web. Java continua sendo uma plataforma quente, por ser aberta, falar com qualquer sistema de back-end, e ser usada em grandes organizações para transferir dados de sistemas legados.

Consequentemente, a faixa salarial para os desenvolvedores Java nos Estados Unidos parte de 60 mil dólares por ano até 150 mil dóalres por ano, dependendo da experiência. A taxa média dos contratos para os desenvolvedores Java é de 90 dólares por hora. Salários-base para os desenvolvedores web variam de 61 mil dólares por ano a 99 mil dólares por ano, de acordo com a Robert Half, empresa de recrutamento e seleção.

3. Designers de UE

Como muitas das empresas estão desenvolvendo aplicativos para PCs ou dispositivos móveis, voltados para o cliente, precisam de interfaces com usuário ou designers de UE (User Experience) para garantir aplicações intuitivas e divertidas de usar. A Robert Half afirma que os salários iniciais para os designers de UE vão subir 6,7% em 2012.

4. Profissionais de segurança

Como as ameaças à segurança da informácão e as crescentes violações de dados, as organizações precisam de profissionais de TI que possam afastar ataques de malware e ladrões cibernéticos. A oferta de anúncios de emprego na Dice.com para vários tipos de profissionais de “cibersegurança” aumentaram 141% em 2011 sobre o ano anterior.

Organizações que começam a migrar para o modelo de computação em nuvem também estão estimulando a demanda por profissionais de segurança de infraestrutura, diz Jerry Irvine, CIO daPrescient Solutions, companhia de outsourcing em TI. “Ao colocarem aplicativos na nuvem, as empresas têm mais caminhos na internet”, diz ele. “Eles têm de ter um ambiente mais seguro para controlar entradas e saídas de um ambiente para o outro.”

A Robert Half projeta aumento de 6% nos salários-base para analistas de segurança de dados.

5. Arquitetos de data warehouse, analistas e desenvolvedores

O desejo das empresas para extrair percepções dos petabytes de dados em seus sistemas de back office impulsionam a demanda por arquitetos de data warehouse, analistas e desenvolvedores. As empresas farão um grande esforço em 2012 para limpar e organizar seus dados para que possam fazer melhor uso deles.

A Robert Half espera que os salários-base para os analistas de data warehouse subam 6,7%, podendo atingir o patamar de 119 mil dólares por ano em 2012. Já os salários dos desenvolvedores de data warehouse poderão ter contratos com taxas variando de 65 dólares a 85 dólares por hora. Arquitetos de data warehouse podem ganhar 160 mildólares por ano ou 80 dólares (ou mais, dependendo da experiência) por hora em contrato.

6. Profissionais de infraestrutura

Computação em nuvem não vai eliminar empregos em infraestrutura. Agora e em 2012, as migrações para cloud computing e Windows 7 aquecem a demanda por engenheiros de rede e administradores de sistemas.

As empresas estão procurando profissionais de TI que possam configurar e gerenciar servidores virtuais e ambientes virtuais de armazenamento, que possam identificar quais aplicações são as mais utilizadas, e que sabem como realocar armazenamento em disco rígido entre as várias aplicações.

Engenheiros de rede devem ver seus salários subirem 5,8% devido ao aumento da demanda em 2012, para uma faixa de 75 mil dólarea a 108 mil dólares por ano, de acordo com a Robert Half.


Duas estratégias para conseguir um trabalho usando as redes sociais

novembro 30, 2011

As redes sociais tornaram mais fácil a busca de um emprego e o contato com pessoas que possam ajudá-lo a conseguir uma vaga de trabalho. Além disso, um número cada vez maior de empresas usa plataformas como Facebook e LinkedIn para encontrar profissionais.

Conseguir um emprego usando as redes sociais, no entanto, exige estratégias específicas. Em um artigo no site Mashable, o fundador da agência de marketing pessoal Millenial Branding, Dan Schawbel, explica quais os passos para aumentar as chances de contratação por meio desses novos ambientes. A seguir, visualize duas das dicas do especialista:

1. Potencialize seus contatos nas redes sociais

“As pessoas conseguem um emprego por intermédio de outras pessoas, não pelo computador”, destaca Schawbel. Por isso, ele acredita que ter uma indicação de alguém que trabalha para a companhia aumenta as chances de sucesso na hora de se candidatar a uma vaga de emprego.

Assim, o especialista indica que, quando um profissional identifica uma vaga, em vez de simplesmente entrar na internet e deixar seu currículo, ele deve procurar, entre seus contatos na rede social, alguém que trabalhe ou tenha conhecidos na empresa em questão e que possa indicá-lo à posição.

As próprias redes sociais oferecem ferramentas voltadas a identificar os profissionais relacionados a determinadas companhias. No LinkedIn, por exemplo, na área de ‘contatos’, os usuários conseguem separar toda a agenda pela empresa na qual as pessoas trabalham. Da mesma forma, o aplicativo profissional do Facebook, o BranchOut, permite visualizar todas as conexões pela companhia em que atuam.

2.      Construa sua influência online

Há uma década, alguém que tivesse os conhecimentos técnicos (como especialização em programação C++) estava com o emprego praticamente garantido. Mas, cada vez mais, as empresas têm buscado novas qualificações, como capacidade de comunicação, organização e liderança. Mais do que isso, a influência online tem virado um diferencial na hora das empresas buscarem o candidato ideal a uma vaga.

“Quando dois candidatos olham para a mesma vaga e os dois são bons comunicadores, o diferencial será a influência online”, aposta o especialista. Ainda de acordo com ele, isso passa pelo número de conexões que as pessoas têm nas redes sociais, quem são esses contatos, quantos indivíduos compartilham seus conteúdos etc. Assim, vale a pena investir alguns minutos diários para tentar buscar novos contatos ou, ainda, compartilhar conteúdos relevantes no LinkedIn e no Facebook.

Fonte: Olhar Digital


Quadro comparativo das lojas virtuais UOL e Locaweb.

agosto 16, 2011

COMPARAÇÃO LOJAS VIRTUAIS

CARACTERÍSTICAS

LOCAWEB

SHOP. UOL

Serviço De Entrega

sedex e PAC

sedex 10, sedex e PAC

Venda Casada

sem recurso

ok

Status Do Pedido

ok

ok

Criação De Cupons De Descontos

sem recurso

ok

Valor Mensal X Configuração

R$149,00 por 500 prod.

R$49,90 POR 5000 acessos
recomendado até 2000 prod.

Meio De Pagamento

Paypal e pagamento digital: boleto bancário,  crédito e transferência eletrônica (à vista ou parcelado)
Dep. Bancário

PagSeguro: boleto bancário,  crédito e transferência eletrônica (à vista ou parcelado)
Dep. Bancário

Inserção Banner No Site

ok

ok – menos na tela de checkout

Recurso Fotos

Com zoom

Com ampliação apenas

Suporte

horário comercial

chat e telefone 6 às 24h

Quantidade De Fotos

não informa

ilimitado

Integração Com Twitter

sem recurso

ok

Ferramenta p\ Cont. de Est.

ok

ok

Gerenciamento De Pedidos

ok

ok

Importação De Dados Produtos E Clientes

sem recurso

ok

Recurso SEO Em Sites De Busca

ok

ok

Idiomas

Português

Português / Inglês

E-Mail Marketing

Ferramenta extra e a loja não exporta cadastro

Ferramenta extra e a loja exporta cadastro

Fonte: http://blog.agenciavirtuale.com.br/index.php/2011/04/12/quadro-comparativo-das-lojas-virtuais-uol-e-locaweb/


Como calcular a margem de lucro de um produto

agosto 11, 2011

Bom, pra fugir um pouco da rotina, hoje estou postando um artigo que ensina duas maneiras de se calcular o lucro de um produto. Acredito que o artigo pode, além de elucidar dúvidas, ajudar a quem precisa desenvolver um sistema onde o calculo do lucro de produtos é necessário.

“O lucro é o que sobra das vendas, menos o custo das mercadorias vendidas,  menos as despesas variáveis e menos as despesas fixas, inclusive o pró-labore”. Por Laecio Barreiros*

 Divulgação

“Tenho uma microempresa há pouco mais de 10 anos. Meu dilema é: como calcular minha margem de lucro? O que deve sobrar para a minha empresa do preço final do produto?”
Antonio Carlos da Função

Para responder esta questão, vamos primeiro revisar dois conceitos fundamentais:

Lucro:
É o retorno positivo de um investimento feito por uma pessoa nos negócios.

Formação de preço de vendas:
Cálculo que tem por base a abrangência e cobertura de todos os custos da empresa e geração do lucro desejado. É como dizer que a partir da venda de qualquer produto você estará tirando os custos ligados à empresa, sejam eles: Custo fixo, Custo Variável ou Não Operacional e, assim, obtendo determinado lucro.

Em outras palavras, para determinar o que deve sobrar para sua empresa no final é necessário primeiro entender os conceitos citados e, a partir daí, traçar sua meta de remuneração do capital investido, ou seja, o “seu lucro”. A questão é: quanto eu espero que determinado produto gere de lucro para que eu invista no negócio?

Lembrando sempre que, na outra ponta, está o mercado – clientes que atuam de forma concorrencial e influenciam o preço final dos produtos. De nada adianta colocar ou desejar uma margem de lucro muito alta se o mercado não aceita, por isso tratamos esta situação como uma variável não controlada. Você deve então colocar seu foco nas variáveis que pode e deve controlar dentro da sua empresa e da sua estrutura de formação de preços, que são os custos fixos e variáveis.

Como calcular a margem de lucro média para a sua atividade:
O lucro é o que sobra das vendas, menos o custo das mercadorias vendidas, menos as despesas variáveis e menos as despesas fixas, inclusive o pró-labore. Cada tipo de atividade tem uma margem de lucro. Salientamos que o lucro destina-se a remunerar o capital investido na empresa. É desejável que esse capital seja remunerado no mínimo por volta de 2% a 4% ao mês.

Exemplo:

Preço de Venda R$ 20,00 100%
(-) Impostos s/Vendas R$ 2,00 10%
(-) Custo das Mercadorias Vendidas R$ 9,00 45%
(-) Despesas Variáveis R$ 3,00 15%
(=) Margem de Contribuição R$ 6,00 30%
(-) Despesas Fixas R$ 4,00 20%
(=) Lucro R$ 2,00 10%

Outra forma de calcular o preço de venda é utilizar o conceito de Mark-up, que é valor desejado de margem de lucro adicionado ao preço de custo do produto, vejamos um exemplo prático:

Valor de custo do produto ( MP e Diretos ) R$ 9,00 45%
(+) Despesas Variáveis R$ 1,00 10%
(+) Despesas Fixas R$ 2,25 20%
Subtotal R$ 12,25
Mark-up intermediário R$ 5,75 32%
Impostos R$ 2,00 10%
Valor do preço final do produto R$ 20,00
Mark-up Divisor Total ( fator ) 0,45

Recapitulando, Mark-up é um valor originalmente adicionado ao custo, portanto ao calcular seu valor devemos fazê-lo usando o chamado calculo por dentro, ou seja, dividir pelo fator para adicionar o valor encontrado ao próprio preço.

No exemplo, apuramos um fator de Mark-up de 0,45 que, ao aplicarmos diretamente ao preço de custo, teremos o valor de venda direto: R$ 9,00 dividido por 0,45 = R$ 20,00

Bons Negócios,

* Laecio Barreiros é contador com MBA em Finanças, diretor da L&Barreiros Controladoria, especializada em Planejamento, Finanças e Contabilidade para pequenas e médias empresas 



Confirmar saída de Formulário / Tela – C# Windows Forms

julho 4, 2011

Algumas vezes precisamos perguntar ao usuário se ele realmente deseja sair da sua aplicação e assim garantir que a saída não foi acidental. Para perguntar ao usuário, se ele deseja sair da tela antes de fechar o formulário,  no evento Closing do formoulário digite o seguinte código:

private void Form1_FormClosing(object sender, FormClosingEventArgs e)

{

//Se o usuário clicar em “Não” na caixa de dialogo a saída será abortada, caso contrario o form é fechado.

if (MessageBox.Show(“Deseja realmente sair?”“Confirmação”MessageBoxButtons.YesNo, MessageBoxIcon.Question) == DialogResult.No)

{

e.Cancel = true;

}

}