Empresa lança pendrive para smartphones e tablets Android Ultra Dual USB pode ser conectado em entrada de dispositivos móveis.

fevereiro 13, 2014

Com memórias entre 16 GB e 64 GB, acessório custa a partir de R$ 80.
Do G1, em São Paulo

image
Pendrive é colocado em smartphone (Foto: Divulgação/SanDisk)

Ter mais espaço de armazenamento em tablets e smartphones ou conseguir usar arquivos que estão em pendrives são algumas das dificuldades de usuários de dispositivos móveis. Para conseguir transferir estes arquivos com maior facilidade, a fabricante SanDisk apresentou nesta terça-feira (11) o pendrive “Ultra Dual USB Drive”, com entradas USB – para conectar no PC, e uma micro-USB, que é conectada na entrada presente em celulares e tablets.

De acordo com a empresa, o pendrive permite guardar e fazer backup de dados, além de liberar mais espaço ou simplesmente transferir dados multimídia entre smartphones, tablets e computadores. O dispositivo tem até 64 GB de espaço de armazenamento e as duas portas possuem proteção retrátil, sem capinhas para perder, mas mantendo as conexões seguras.

Um aplicativo chamado “Memory Zone”, disponível para download na loja Google Play, permite o gerenciamento do conteúdo no pendrive, organizando rquivos armazenados na memória interna e externa do telefone, para gerenciamento, visualização, cópia e backup.

O SanDisk Ultra Dual USB Drive está disponível no Brasil em capacidades de 16GB a 64 GB com preços sugeridos de R$ 80 a R$ 250.

image

Um lado do pendrive Ultra Dual USB Drive é conectado em smartphones ou tablets Android (Foto: Divulgação/SanDisk)

image

Já o outro lado é conectado em PCs por meio da porta USB (Foto: Divulgação/SanDisk)

Fonte: http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2014/02/empresa-lanca-pendrive-para-smartphones-e-tablets-android.html
 

Anúncios

Norte-americanos criam lista com os 25 piores erros de programação

janeiro 22, 2009

Um grupo formado por mais de 30 organizações de computação publicou nesta segunda-feira (12/01), uma lista com os 25 erros de programação de software mais perigosos para a segurança dos sistemas.

Esta é a primeira vez que a indústria de software chega a um consenso sobre as piores coisas que podem acontecer quando ops softwares são criados.

O grupo é liderado por especialistas da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA na sigla em inglês), pelo Departamento de Segurança Nacional, pelas empresas Microsoft e Symantec.

“A lista com o top 25 fornece aos desenvolvedores um conjunto mínimo de erros de código que devem ser erradicados antes que o software seja usado pelos clientes” disse Chris Wysopal, Chief Technology Officer (CTO) da Veracode, em um comunicado.

mais do que uma lista, o documeto pode ser usado como ferramenta de negociação entre compradores e vendedores de software, apontou Alan Paller, diretor de pesquisas do SANS Institute.

O Estado de Nova York está criando documentos que podem ser usados por agências governamentais para que os fornecedores se certifiquem de que seus códigos não possuem qualquer um dos erros da lista. Futuramente, o documento pode responsabilizar o fornecedor caso o software tenha algum bug que leve a um problema de segurança, disse Paller.

A lista de falhas inclui bugs que permitem SQL injection ou ataques de cross-site scripting, envio de informações sensíveis em textos legíveis, e senhas de segurança de difícil detecção em programas.

ENo ano passado, apenas dois os bugs presentes na lista geraram brechas em mais de 1,5 milhão de sites na grande rede, disse o SANS.

Por IDG News Service/EUA
13 de janeiro de 2009 – 08h04