Receita fecha o cerco contra encomendas em sites no exterior

fevereiro 9, 2015

Iludidos pela promessa de isenção de impostos em produtos que custam até US$ 50, muitos brasileiros são surpreendidos ao retirar suas encomendas de artigos importados nos Correios ou em outro serviço de entrega. A isenção, que é alardeada pelos principais sites de vendas nesses moldes, só é válida para remessas de pessoa física para pessoa física.

Caso o envio seja realizado por uma loja hospedada em site estrangeiro, o governo exige o pagamento do Imposto de Importação (II), que é de 60% do valor da fatura e ICMS, com variação de alíquota de acordo com o estado.

O jornal Folha de S. Paulo entrevistou o analista Jefferson José da Silva, que comprou um fone de ouvido por cerca de US$ 24, aproximadamente R$ 68, no site Mini in The Box. Ao retirar o produto nos Correios, precisou pagar uma taxa extra de R$ 63. Sem o pagamento, não levaria seus fones novos.

“Achei caro. Não compro mais. Agora, só nos sites brasileiros”, afirmou o analista ao jornal.

Grande parte das compras em sites estrangeiros estão sujeitas a tributação. Pessoas físicas que encomendam produtos entre US$ 50 e US$ 500 são obrigadas a pagar a alíquota de 60% do II, além de ICMS e uma taxa de despacho postal nos Correios, de R$ 12.

Se o valor das compras estiver entre US$ 500 e US$ 3.000, o II e ICMS permanecem os mesmos, mas a taxa de despacho sobe para R$ 150.

No ano passado, o número de remessas postais vindas do exterior cresceu 3,7%, para 21,6 milhões, segundo a Receita. De 2012 a 2013, a expansão havia sido de 44%.

Fonte: Folha de S. Paulo

Anúncios

Windows Phone supera iOS e assume segunda posição entre smartphones no Brasil

fevereiro 15, 2014

Disponível apenas em aparelhos da Nokia, sistema da Microsoft alcançou 6% de participação nas vendas registradas no 4º trimestre de 2013

Claudia Tozetto
No Brasil, apenas a Nokia comercializa smartphones com o sistema Windows PhoneNo Brasil, apenas a Nokia comercializa smartphones com o sistema Windows Phone (Dado Ruvic/Reuters)

O Windows Phone superou o iOS, da Apple, e se tornou o segundo sistema operacional mais popular no Brasil no 4º trimestre de 2013, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pela consultoria IDC. A plataforma da Microsoft representou 6% das vendas realizadas no Brasil no período. A distância em relação ao primeiro colocado no ranking, no entanto, ainda é grande: o Android está em cerca de 90% dos smartphones vendidos no país.

A IDC não confirma a participação de mercado do iOS, sistema operacional do iPhone, no Brasil. “O Windows Phone está em um momento de crescimento no Brasil, mas a diferença para o terceiro colocado não é tão grande assim”, diz Bruno Freitas, analista de mercado da IDC. Segundo a consultoria, o Windows Phone superou o iOS somente no quarto trimestre, o que mantém o iOS em segundo lugar no Brasil, se considerado o volume total para o ano passado, que é de quase 11 milhões de aparelhos.

O Brasil é o quarto maior mercado para smartphones no mundo, atrás de China, Estados Unidos e Índia. A previsão da IDC é de que 47 milhões de smartphones sejam vendidos no país em 2014. No Brasil, o Windows Phone só está presente nos oito smartphones da linha Lumia, fabricada pela Nokia – fabricante de celulares adquirida pela Microsoft no ano passado. Samsung e HTC já lançaram produtos com o sistema no país, mas os produtos não estão mais disponíveis no mercado.

Embora tenha ultrapassado o iOS no Brasil, no mundo a situação do Windows Phone é bem diferente. O sistema apresentou crescimento constante no último ano, mas detém pouco mais de 3% das vendas e se mantém em terceiro lugar no ranking global de plataformas mais populares. Segundo a IDC, o sistema operacional da Apple está em terceiro lugar, com 18%, atrás do Android, que lidera o mercado com 73% dos smartphones vendidos em todo o mundo.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/vida-digital/windows-phone-supera-ios-e-assume-segunda-posicao-no-brasil


Empresa lança pendrive para smartphones e tablets Android Ultra Dual USB pode ser conectado em entrada de dispositivos móveis.

fevereiro 13, 2014

Com memórias entre 16 GB e 64 GB, acessório custa a partir de R$ 80.
Do G1, em São Paulo

image
Pendrive é colocado em smartphone (Foto: Divulgação/SanDisk)

Ter mais espaço de armazenamento em tablets e smartphones ou conseguir usar arquivos que estão em pendrives são algumas das dificuldades de usuários de dispositivos móveis. Para conseguir transferir estes arquivos com maior facilidade, a fabricante SanDisk apresentou nesta terça-feira (11) o pendrive “Ultra Dual USB Drive”, com entradas USB – para conectar no PC, e uma micro-USB, que é conectada na entrada presente em celulares e tablets.

De acordo com a empresa, o pendrive permite guardar e fazer backup de dados, além de liberar mais espaço ou simplesmente transferir dados multimídia entre smartphones, tablets e computadores. O dispositivo tem até 64 GB de espaço de armazenamento e as duas portas possuem proteção retrátil, sem capinhas para perder, mas mantendo as conexões seguras.

Um aplicativo chamado “Memory Zone”, disponível para download na loja Google Play, permite o gerenciamento do conteúdo no pendrive, organizando rquivos armazenados na memória interna e externa do telefone, para gerenciamento, visualização, cópia e backup.

O SanDisk Ultra Dual USB Drive está disponível no Brasil em capacidades de 16GB a 64 GB com preços sugeridos de R$ 80 a R$ 250.

image

Um lado do pendrive Ultra Dual USB Drive é conectado em smartphones ou tablets Android (Foto: Divulgação/SanDisk)

image

Já o outro lado é conectado em PCs por meio da porta USB (Foto: Divulgação/SanDisk)

Fonte: http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2014/02/empresa-lanca-pendrive-para-smartphones-e-tablets-android.html
 


Desenvolvedor retira da App Store sucesso ‘Flappy Bird’

fevereiro 10, 2014

image

Depois de faturar até 50.000 dólares por dia com publicidade, desenvolvedor afirma que game “arruinou sua vida simples”

Aplicativo Flappy Bird ficou entre os mais baixados da App Store na última semana (Reprodução)

O game Flappy Bird, que se tornou repentinamente popular no iPhone e em aparelhos com Android, foi retirado da App Store neste domingo. O aplicativo deixou de funcionar cerca de 24 horas depois de Dong Nguyen, desenvolvedor vietnamita que criou o aplicativo, avisar os usuários sobre a retirada do app. “Sinto muito, usuários do Flappy Bird. Daqui a 22 horas eu vou retirá-lo do ar. Eu não aguento mais”, escreveu Nguyen, em sua conta no Twitter.

Leia também:
Para crescer, Brasil terá de apoiar os ‘indie’ games
Comic-con: Brasil recebe feira geek em dezembro

Nguyen não divulgou o motivo da retirada do aplicativo, que lhe rendia 50.000 dólares por dia em receita, pela exibição de anúncios aos usuários do programa gratuito. Porém, por meio do Twitter, ele registrou sua insatisfação com o assédio dos usuários e da imprensa. “Eu posso dizer que o Flappy Bird foi um sucesso. Mas ele também arruinou minha vida simples. Então agora eu o odeio”, escreveu o desenvolvedor neste sábado.

Até o momento, contudo, o aplicativo ainda não foi retirado do Google Play, loja de aplicativos para dispositivos móveis com sistema operacional Android. De acordo com a loja do Google, mais de 10 milhões de usuários instalaram o aplicativo em seus smartphones. Embora o game tenha sido retirado da App Store, quem já instalou o app no iPhone ou iPad pode continuar a jogar normalmente.

Desde o anúncio dos planos para retirada do aplicativo do ar, Nguyen recebe diversas mensagens de interessados em comprar o Flappy Bird por meio do Twitter. Ele negou, no entanto, o interesse em vender o aplicativo. Além disso, após rumores de que ele teria usado técnicas para inflar a popularidade do aplicativo, ele afirmou que a retirada do app da loja “não está ligada a motivos legais”.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/vida-digital/criador-retira-sucesso-flappy-bird-da-loja-de-apps-para-iphone


Prorrogação SPED – Escrituração Fiscal Digital

maio 17, 2011

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31915 de 16/05/2011

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0010, DE 13 DE MAIO DE 2011

Número de Publicação: 232098

Altera dispositivos da Instrução Normativa nº 0008, de 16 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre procedimentos referentes à Escrituração Fiscal Digital – EFD.

O SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA, no uso das que lhe são conferidas pela Lei nº 6.625, de 13 de janeiro de 2004, regulamentada pelo Decreto nº 1.604, de 18 de abril de 2005, e no inciso XII do art. 6º da Instrução Normativa nº 0008, de 14 de julho de 2005,

RESOLVE:

Art. 1º O parágrafo único do art. 6º da Instrução Normativa nº 0008, de 16 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre procedimentos referentes à Escrituração Fiscal Digital – EFD, passa a vigorar com a seguinte redação:

“Parágrafo único. Os contribuintes que iniciaram sua obrigatoriedade à EFD em janeiro de 2011, poderão, excepcionalmente, entregar os arquivos digitais referentes aos meses de janeiro a julho de 2011 até o dia 15 de agosto de 2011.”

Art. 2º Ficam acrescidos os §§ 2º e 3º ao art. 6º da Instrução Normativa nº 0008, de 16 de fevereiro de 2011, passando o parágrafo único a denominar-se § 1º, com as seguintes redações:

“§ 2º Os contribuintes de que trata o § 1º deste artigo poderão entregar os arquivos digitais referentes aos meses de janeiro a outubro de 2011 até o dia 1º de dezembro de 2011, desde que comprovem a substituição de todos os seus equipamentos Emissores de Cupom Fiscal – ECF que não possuam recursos de Memória de Fita Detalhe – MFD por ECF com esse recurso, conforme art. 410 e 419 do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – RICMS-PA, aprovado pelo Decreto nº 4.676, de 18 de junho de 2001.

§ 3º A comprovação de que trata o parágrafo anterior ocorrerá mediante formalização de pedido de prorrogação protocolado junto a Secretaria de Estado da Fazenda, até o dia 31 de julho de 2011, contendo cópia dos formulários de pedido de uso e cessação de uso de ECF e indicação do número dos respectivos processos.”

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial do Estado, produzindo efeitos a partir de 15 de maio de 2011.

JOSÉ BARROSO TOSTES NETO

Secretário de Estado da Fazenda

Fonte: http://www.ioepa.com.br/site/includes/mostraMateria.asp?ID_materia=533835&ID_tipo=21


Realidade aumentada vai mudar tudo

outubro 1, 2009

virtual_3009

Qua, 30 Set – 14h32

Realidade aumentada vai mudar tudo

Por Rafael Cabral e Tatiana de Mello Dias

São Paulo (AE) – O mundo real não será mais o mesmo. Pode apostar. Ainda que a realidade aumentada possa soar distante para você, várias empresas e institutos de todo o mundo começaram uma corrida silenciosa para ocupar o espaço virtual do mundo real.

O desenvolvedor japonês Taisei Tanaka sintetizou ao Link a experiência: “Fiquei muito empolgado quando vi meu personagem virtual pela primeira vez”. Sua empresa, Geisha Tokyo Entertainment, criou a ARis, boneca virtual em estilo mangá que tira a roupa conforme o usuário mostra ícones para a webcam. Essa tecnologia também já vem sendo usada no Brasil. A câmera lê os códigos QR (os ícones que você vê espalhados por essa edição) e faz que objetos virtuais, vídeos, sons ou qualquer outra coisa apareça na tela.

A tecnologia começou a se popularizar devido ao barateamento das webcams. E a novidade foi logo descoberta pelo mercado publicitário, que usa a realidade aumentada para chamar atenção. Mas a tecnologia vai muito além da criação de objetos virtuais disparados por códigos. Suas aplicações são infinitas – e, não é exagero dizer, são também revolucionárias.

Uma aplicação óbvia é nos games – além da criação de personagens virtuais, como a ARis. “Hoje as crianças estão coladas na tela, seja no computador ou no celular. A realidade aumentada pode mudar isso, incorporando elementos dos games para a realidade e criando playgrounds como há 30 anos”, diz Tobias Kammann, do site Augmented.

A tecnologia de “leitura” também está se sofisticando. Softwares já conseguem reconhecer lugares, objetos e rostos. E a experiência imersiva muda completamente quando a câmera que está no computador vai para o nosso próprio campo de visão – com óculos, capacetes ou smartphones.

Para Dan Gärdenfors, que desenvolveu o aplicativo para celular Augmented ID, a tecnologia “terá um grande impacto na maneira como as pessoas irão usar as tecnologias móveis”. Ele crê que o uso da realidade aumentada móvel irá se popularizar pois só requer três coisas que já estão por aí: celulares poderosos, conexões rápidas e taxas baixas de tráfego de dados.

A criação de browsers e aplicativos que leem a realidade é o próximo passo. Você poderá, por exemplo, apontar o celular para alguém e ver seu perfil no Facebook. Ou passar por um cartaz de um show e ouvir uma música. “Quando você vir alguma coisa interessante e quiser saber mais, não precisará mais pensar em uma frase para buscar online. Bastará apontar o celular”, diz Gärdenfors. Não há limites para as possibilidades.

Fonte: Yahoo!


Adequar-se ao sono do funcionário beneficia a empresa

julho 28, 2009

Até pouco tempo, as empresas estipulavam a escala de trabalho e o funcionário a cumpria, sem ao menos questionar ou sugerir uma alternativa para adequar suas necessidades físicas e psicológicas às empresariais.

As novas possibilidades que o mercado de trabalho apresenta e a mudança de perfil dos empresários estão mudando esse quadro. Adequar-se às necessidades fisiológicas do funcionário pode ser uma alternativa para as empresas que buscam melhores resultados profissionais.

É importante que os empresários entendam que há pessoas matutinas, ou seja, que podem entrar mais cedo no trabalho, pois não terão problemas para acordar. No entanto, outra parcela, é vespertina, e terá melhor rendimento a partir do final da manhã para a tarde e a noite. O que não significa que os vespertinos são preguiçosos ou os matutinos, trabalhadores, é apenas uma questão orgânica.

Trabalhar a noite, para uma pessoa que não se adapta ao turno, ou vice-versa, pode ser um grande risco, pois, a sonolência faz com que o profissional tenha uma redução dos reflexos, diminua a capacidade de concentração e criatividade, aumente a fadiga, nível de estresse, e, consequentemente, os riscos de acidentes no ambiente de trabalho e no trânsito são maiores. Atualmente, algumas empresas já oferecem um espaço e período de descanso para o funcionário. Meia hora pode ser suficiente para a recomposição física e psicológica. Além de ter um ganho no rendimento profissional, a empresa pode deixar de perder monetariamente, afinal, funcionário afastado ou acidentado, gera alto custo.

Prof. Dr. Luis Vicente Franco Oliveira, Coordenador do Laboratório do Sono da Universidade Nove de Julho UNINOVE.

Fonte: Yahoo!